Secretarias de Fazenda do RJ e de SP fazem operação contra fraude de R$ 600 milhões em impostos

Fiscos dos dois estados miram 66 alvos em 18 cidades fluminenses. As secretarias de Fazenda dos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo fizeram nesta quarta-feira (24) uma operação conjunta contra um esquema que sonegou pelo menos R$ 600 milhões em ICMS, o imposto sobre circulação de produtos e serviços. Segundo as investigações do Fisco paulista, empresas “noteiras” que atuavam em SP migraram para o Rio. Essas firmas, a maioria fantasma, emitiram R$ 5,4 bilhões em notas fiscais “frias“ nos últimos 12 meses, afirmam os fiscais. Esse volume gerou o crédito de R$ 600 milhões em ICMS. Auditores foram a endereços das empresas para verificar se existem ou não. São 66 alvos em 18 cidades fluminenses: Campos dos Goytacazes Duque de Caxias Guapimirim Itaperuna Itatiaia Japeri Magé Mendes Paracambi Pinheiral Porciúncula Rio de Janeiro São Gonçalo São João de Meriti São José do Vale do Rio Preto Saquarema Tanguá Três Rios Em Xerém, em Caxias, na Baixada Fluminense, uma vila abandonada seria sede de uma firma que, segundo o Fisco, emitiu R$ 11 milhões em notas. Em um dos locais vistoriados, em Botafogo, Zona Sul do Rio, o endereço comercial onde deveria funcionar uma empresa está vazio há pelo menos um ano e meio. Mesmo assim, esse suposto estabelecimento vem emitindo notas fiscais de operações que, na verdade, não acontecem. “Com essa ação, estamos aumentando também a integração entre os Fiscos dos dois estados. A operação faz parte do programa ‘Na Mira da Receita Estadual’, criado para combater a concorrência desleal e a sonegação fiscal”, afirma Guilherme Mercês, secretário de Fazenda do Rio de Janeiro. Já o secretário de Fazenda e Planejamento de São Paulo, Henrique Meirelles, destaca que a cooperação entre os físicos estaduais é essencial para combater esta modalidade de sonegação fiscal: “A troca de informações e a atuação conjunta viabilizam a atuação da fiscalização”. Endereço vazio em Xerém onde, segundo as investigações, funcionaria empresa que enviou R$ 11 milhões em notas frias Reprodução VÍDEOS: Os mais vistos do Rio nos últimos 7 dias

Secretarias de Fazenda do RJ e de SP fazem operação contra fraude de R$ 600 milhões em impostos

Fiscos dos dois estados miram 66 alvos em 18 cidades fluminenses. As secretarias de Fazenda dos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo fizeram nesta quarta-feira (24) uma operação conjunta contra um esquema que sonegou pelo menos R$ 600 milhões em ICMS, o imposto sobre circulação de produtos e serviços. Segundo as investigações do Fisco paulista, empresas “noteiras” que atuavam em SP migraram para o Rio. Essas firmas, a maioria fantasma, emitiram R$ 5,4 bilhões em notas fiscais “frias“ nos últimos 12 meses, afirmam os fiscais. Esse volume gerou o crédito de R$ 600 milhões em ICMS. Auditores foram a endereços das empresas para verificar se existem ou não. São 66 alvos em 18 cidades fluminenses: Campos dos Goytacazes Duque de Caxias Guapimirim Itaperuna Itatiaia Japeri Magé Mendes Paracambi Pinheiral Porciúncula Rio de Janeiro São Gonçalo São João de Meriti São José do Vale do Rio Preto Saquarema Tanguá Três Rios Em Xerém, em Caxias, na Baixada Fluminense, uma vila abandonada seria sede de uma firma que, segundo o Fisco, emitiu R$ 11 milhões em notas. Em um dos locais vistoriados, em Botafogo, Zona Sul do Rio, o endereço comercial onde deveria funcionar uma empresa está vazio há pelo menos um ano e meio. Mesmo assim, esse suposto estabelecimento vem emitindo notas fiscais de operações que, na verdade, não acontecem. “Com essa ação, estamos aumentando também a integração entre os Fiscos dos dois estados. A operação faz parte do programa ‘Na Mira da Receita Estadual’, criado para combater a concorrência desleal e a sonegação fiscal”, afirma Guilherme Mercês, secretário de Fazenda do Rio de Janeiro. Já o secretário de Fazenda e Planejamento de São Paulo, Henrique Meirelles, destaca que a cooperação entre os físicos estaduais é essencial para combater esta modalidade de sonegação fiscal: “A troca de informações e a atuação conjunta viabilizam a atuação da fiscalização”. Endereço vazio em Xerém onde, segundo as investigações, funcionaria empresa que enviou R$ 11 milhões em notas frias Reprodução VÍDEOS: Os mais vistos do Rio nos últimos 7 dias