Polícia Federal deflagrou uma operação a cada 6 dias no Amapá em 2020; 111 foram presos

Mesmo com a pandemia, foram contabilizadas 62 ações contra 35 de 2019, alta de 77%. Oito delas, foram investigações de combate ao desvio de recursos para tratamento da Covid-19. Agentes da PF e CGU durante operação Vírus Infectio 3, que investigou desvios na saúde Polícia Federal/Divulgação Mesmo no ano da pandemia, em que o trabalho de muitos órgãos foi afetado, as operações da Polícia Federal (PF) no Amapá aumentaram 77% na comparação com 2019. A corporação realizou em 2020 um total de 62 ações no estado, contra 35 no ano anterior. Entre os destaques, estão as investigações de combate ao desvio de recursos para prevenção e tratamento da Covid-19. Ao todo, foram 8 ações nos municípios de Macapá, Santana, Laranjal do Jari, Vitória do Jari e Oiapoque. As operações foram batizadas de Vírus Infectio I, Vírus Infectio II, Vírus Infectio III, Expurgo, Panaceia, Máscara de Ferro, Kairós e Asfixia. Os dados foram solicitados pelo G1 à Superintendência da PF no estado, que preferiu não comentar os números. Policiais federais durante operação panaceia em Oiapoque no Amapá PF/Divulgação Ainda no balanço anual, foram feitas 111 prisões em flagrante nas operações que, inicialmente, buscaram cumprir 34 mandados de prisões e 238 de busca e apreensão. As operações resultaram na apreensão e bloqueio de R$ 71,9 milhões em bens, além do afastamento de 9 gestores de funções públicas. Entre os afastados, estava a prefeita à época de Oiapoque, Maria Orlanda Marques (PSDB). Ela teve que deixar o cargo após as investigações da operação Panaceia, que apurou o desvio de remédios e de testes para o diagnóstico da Covid-19 no município. Mandado de prisão sendo cumprido com preso levado para a sede da PF no Amapá Polícia Federal/Divulgação Relacionada à pandemia, a ação com mais fases foi a Vírus Infectio, que investigou fraudes em licitações e desvios milionários de recursos públicos. Relembre as fases da operação: Vírus Infectio I: PF apura superfaturamento em EPIs Vírus Infectio II: buscas na sede da Secretaria de Estado da Saúde Vírus Infectio III: fraude no pagamento de R$ 4,9 milhões do governo do Amapá a pequenas empresas Operação Vírus Infectio 3 cumpriu mandado na Procuradoria-Geral do Estado Polícia Federal/Divulgação Sobre os crimes ambientais, a PF conseguiu apreender R$ 1.649.949,80 em madeira ilegal e atuou em parceria com outros órgãos, principalmente o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama). Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá ASSISTA os vídeos mais recentes do G1 AP:

Polícia Federal deflagrou uma operação a cada 6 dias no Amapá em 2020; 111 foram presos

Mesmo com a pandemia, foram contabilizadas 62 ações contra 35 de 2019, alta de 77%. Oito delas, foram investigações de combate ao desvio de recursos para tratamento da Covid-19. Agentes da PF e CGU durante operação Vírus Infectio 3, que investigou desvios na saúde Polícia Federal/Divulgação Mesmo no ano da pandemia, em que o trabalho de muitos órgãos foi afetado, as operações da Polícia Federal (PF) no Amapá aumentaram 77% na comparação com 2019. A corporação realizou em 2020 um total de 62 ações no estado, contra 35 no ano anterior. Entre os destaques, estão as investigações de combate ao desvio de recursos para prevenção e tratamento da Covid-19. Ao todo, foram 8 ações nos municípios de Macapá, Santana, Laranjal do Jari, Vitória do Jari e Oiapoque. As operações foram batizadas de Vírus Infectio I, Vírus Infectio II, Vírus Infectio III, Expurgo, Panaceia, Máscara de Ferro, Kairós e Asfixia. Os dados foram solicitados pelo G1 à Superintendência da PF no estado, que preferiu não comentar os números. Policiais federais durante operação panaceia em Oiapoque no Amapá PF/Divulgação Ainda no balanço anual, foram feitas 111 prisões em flagrante nas operações que, inicialmente, buscaram cumprir 34 mandados de prisões e 238 de busca e apreensão. As operações resultaram na apreensão e bloqueio de R$ 71,9 milhões em bens, além do afastamento de 9 gestores de funções públicas. Entre os afastados, estava a prefeita à época de Oiapoque, Maria Orlanda Marques (PSDB). Ela teve que deixar o cargo após as investigações da operação Panaceia, que apurou o desvio de remédios e de testes para o diagnóstico da Covid-19 no município. Mandado de prisão sendo cumprido com preso levado para a sede da PF no Amapá Polícia Federal/Divulgação Relacionada à pandemia, a ação com mais fases foi a Vírus Infectio, que investigou fraudes em licitações e desvios milionários de recursos públicos. Relembre as fases da operação: Vírus Infectio I: PF apura superfaturamento em EPIs Vírus Infectio II: buscas na sede da Secretaria de Estado da Saúde Vírus Infectio III: fraude no pagamento de R$ 4,9 milhões do governo do Amapá a pequenas empresas Operação Vírus Infectio 3 cumpriu mandado na Procuradoria-Geral do Estado Polícia Federal/Divulgação Sobre os crimes ambientais, a PF conseguiu apreender R$ 1.649.949,80 em madeira ilegal e atuou em parceria com outros órgãos, principalmente o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama). Veja o plantão de últimas notícias do G1 Amapá ASSISTA os vídeos mais recentes do G1 AP: