Petroleiros alegam surto de Covid-19 em Refinaria Landulpho Alves e Petrobras diz que é 'reflexo do aumento de casos na BA'

Segundo sindicado, há mais de 60 trabalhadores afastados por causa de contaminação na Refinaria Landulpho Alves. Petrobras confirmou ocorrência de casos, mas não detalhou quantos trabalhadores foram contaminados. Refinaria Landulfo Alves é vendida pela Petrobras por US$ 1,65 bilhão Divulgação/Petrobras O Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA) informou que há um surto de Covid-19 na Refinaria Landulpho Alves (Rlam), que fica em São Francisco do Conde, na região metropolitana de Salvador. Em nota, a Petrobras disse que é um reflexo do aumento de casos no estado. De acordo com o Sindipetro, um levantamento inicial aponta que, dos 900 trabalhadores da refinaria, há mais de 60 trabalhadores afastados por causa da contaminação, e que um deles está hospitalizado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A Petrobras confirmou a ocorrência de casos, mas não detalhou quantos trabalhadores foram contaminados. O sindicato informou que, em apenas uma das unidades da refinaria, a Rlam (U-39), metade dos trabalhadores está contaminada: 14. O Sindipetro falou ainda que está com dificuldades de conseguir informações atualizadas sobre os trabalhadores terceirizados, e que na segunda-feira (22) eram 15 pessoas contaminadas com a doença. O sindicato destacou que os ônibus que levam os trabalhadores terceirizados costumam circular com capacidade máxima, sem respeitar o distanciamento recomendado pelas autoridades sanitárias. A Petrobras não comentou a situação. Ainda segundo o Sindipetro, os trabalhadores denunciaram que os testes para identificar a Covid-19 pararam de ser feitos e que uma denúncia será levada ao Ministério Público do Trabalho, ao Centro de Saúde do Trabalhador da Bahia (Cesat) e à Superintendência Regional de Trabalho e Emprego. No entanto, a Petrobras disse que "desde o primeiro reporte de sintomas, a companhia tomou providências para rastrear contatos, realizar testagem para diagnóstico e isolar casos confirmados, suspeitos e seus contactantes". A Petrobras disse ainda que os colaboradores estão sendo monitorados por equipes de saúde e que foram tomadas medidas adicionais de higienização, como distanciamento nas instalações e redução das pessoas na refinaria e escalonamento dos horários de serviço das empresas de rotina e parada. Disse ainda que adota um protocolo rigoroso de prevenção em suas unidades, que inclui ampla testagem, fornecimento e uso obrigatório de máscaras, higienização reforçada, distanciamento e monitoramento de saúde antes do início dos turnos. Veja mais notícias do estado no G1 Bahia. Assista aos vídeos do G1 e TV Bahia

Petroleiros alegam surto de Covid-19 em Refinaria Landulpho Alves e Petrobras diz que é 'reflexo do aumento de casos na BA'

Segundo sindicado, há mais de 60 trabalhadores afastados por causa de contaminação na Refinaria Landulpho Alves. Petrobras confirmou ocorrência de casos, mas não detalhou quantos trabalhadores foram contaminados. Refinaria Landulfo Alves é vendida pela Petrobras por US$ 1,65 bilhão Divulgação/Petrobras O Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA) informou que há um surto de Covid-19 na Refinaria Landulpho Alves (Rlam), que fica em São Francisco do Conde, na região metropolitana de Salvador. Em nota, a Petrobras disse que é um reflexo do aumento de casos no estado. De acordo com o Sindipetro, um levantamento inicial aponta que, dos 900 trabalhadores da refinaria, há mais de 60 trabalhadores afastados por causa da contaminação, e que um deles está hospitalizado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A Petrobras confirmou a ocorrência de casos, mas não detalhou quantos trabalhadores foram contaminados. O sindicato informou que, em apenas uma das unidades da refinaria, a Rlam (U-39), metade dos trabalhadores está contaminada: 14. O Sindipetro falou ainda que está com dificuldades de conseguir informações atualizadas sobre os trabalhadores terceirizados, e que na segunda-feira (22) eram 15 pessoas contaminadas com a doença. O sindicato destacou que os ônibus que levam os trabalhadores terceirizados costumam circular com capacidade máxima, sem respeitar o distanciamento recomendado pelas autoridades sanitárias. A Petrobras não comentou a situação. Ainda segundo o Sindipetro, os trabalhadores denunciaram que os testes para identificar a Covid-19 pararam de ser feitos e que uma denúncia será levada ao Ministério Público do Trabalho, ao Centro de Saúde do Trabalhador da Bahia (Cesat) e à Superintendência Regional de Trabalho e Emprego. No entanto, a Petrobras disse que "desde o primeiro reporte de sintomas, a companhia tomou providências para rastrear contatos, realizar testagem para diagnóstico e isolar casos confirmados, suspeitos e seus contactantes". A Petrobras disse ainda que os colaboradores estão sendo monitorados por equipes de saúde e que foram tomadas medidas adicionais de higienização, como distanciamento nas instalações e redução das pessoas na refinaria e escalonamento dos horários de serviço das empresas de rotina e parada. Disse ainda que adota um protocolo rigoroso de prevenção em suas unidades, que inclui ampla testagem, fornecimento e uso obrigatório de máscaras, higienização reforçada, distanciamento e monitoramento de saúde antes do início dos turnos. Veja mais notícias do estado no G1 Bahia. Assista aos vídeos do G1 e TV Bahia