Covid-19 pode causar inflamação em canal ligado aos testículos, diz estudo brasileiro

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram casos de epididimite em quase a metade dos pacientes com Covid leve ou moderada; cientistas investigam relação do vírus com a infertilidade. Exames de ultrassom mostram aumento da grossura do canal e micro-inflamações na região dos testículos Reprodução/Andrologia A infecção pelo novo coronavírus pode estar relacionada a casos de inflamação do epidídimo em homens – um canal próximo aos testículos por onde passam os espermatozóides. Isso é o que diz um estudo publicado na semana passada pela revista científica "Andrologia". Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram a inflamação pela primeira vez no fim do ano passado, enquanto acompanhavam um grupo de 26 homens infectados pelo Sars-Cov-2. Todos eles, com idades entre os 21 e 42 anos, apresentavam casos leves ou moderados da Covid-19. Espermatozoides nadam com 'giro de pião', aponta cientista brasileiro Sintomas da 'Covid longa' atingem até 80% dos infectados Segundo o artigo Radiological patterns of incidental epididymitis in mild-to-moderate COVID-19 patients revealed by colour Doppler ultrasound, onze dos pacientes com coronavírus tiveram a infecção conhecida como epididimite (42.3%). Os pesquisadores descreveram que a maior parte dos casos de epididimite neste estudo eram assintomáticos, e que apenas um dos pacientes reclamou de dores na região durante um exame clínico. Para confirmar as infecções, foi preciso também do apoio de um equipamento de ultrassom. Com as imagens do exame doppler, os cientistas encontraram alterações no canal, como o aumento da sua espessura, e a presença de micro-inflamações. Exame doppler mostra alterações no canal, como o aumento da sua espessura Reprodução/Andrologia O epidídimo é um canal que se liga na parte de trás do testículo humano, que armazena e transporta o esperma durante sua produção. É por isso que os cientistas investigam se há alguma relação da infecção pelo vírus com a infertilidade masculina. Além disso, durante a epidemia de Sars – também por um outro coronavírus – entre 2002 e 2003, diversos estudos apresentaram resultados de alterações no sistema reprodutivo masculino em pacientes que tiveram casos mais graves da síndrome. É porque o coronavírus, para invadir as células humanas onde pode se replicar, se liga a receptores feitos de uma proteína conhecida como ACE2. Elas estão muito presentes nos pulmões – e nos testículos. VÍDEOS sobre o coronavírus s

Covid-19 pode causar inflamação em canal ligado aos testículos, diz estudo brasileiro

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram casos de epididimite em quase a metade dos pacientes com Covid leve ou moderada; cientistas investigam relação do vírus com a infertilidade. Exames de ultrassom mostram aumento da grossura do canal e micro-inflamações na região dos testículos Reprodução/Andrologia A infecção pelo novo coronavírus pode estar relacionada a casos de inflamação do epidídimo em homens – um canal próximo aos testículos por onde passam os espermatozóides. Isso é o que diz um estudo publicado na semana passada pela revista científica "Andrologia". Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) identificaram a inflamação pela primeira vez no fim do ano passado, enquanto acompanhavam um grupo de 26 homens infectados pelo Sars-Cov-2. Todos eles, com idades entre os 21 e 42 anos, apresentavam casos leves ou moderados da Covid-19. Espermatozoides nadam com 'giro de pião', aponta cientista brasileiro Sintomas da 'Covid longa' atingem até 80% dos infectados Segundo o artigo Radiological patterns of incidental epididymitis in mild-to-moderate COVID-19 patients revealed by colour Doppler ultrasound, onze dos pacientes com coronavírus tiveram a infecção conhecida como epididimite (42.3%). Os pesquisadores descreveram que a maior parte dos casos de epididimite neste estudo eram assintomáticos, e que apenas um dos pacientes reclamou de dores na região durante um exame clínico. Para confirmar as infecções, foi preciso também do apoio de um equipamento de ultrassom. Com as imagens do exame doppler, os cientistas encontraram alterações no canal, como o aumento da sua espessura, e a presença de micro-inflamações. Exame doppler mostra alterações no canal, como o aumento da sua espessura Reprodução/Andrologia O epidídimo é um canal que se liga na parte de trás do testículo humano, que armazena e transporta o esperma durante sua produção. É por isso que os cientistas investigam se há alguma relação da infecção pelo vírus com a infertilidade masculina. Além disso, durante a epidemia de Sars – também por um outro coronavírus – entre 2002 e 2003, diversos estudos apresentaram resultados de alterações no sistema reprodutivo masculino em pacientes que tiveram casos mais graves da síndrome. É porque o coronavírus, para invadir as células humanas onde pode se replicar, se liga a receptores feitos de uma proteína conhecida como ACE2. Elas estão muito presentes nos pulmões – e nos testículos. VÍDEOS sobre o coronavírus s